PROGRAMAÇÃO

PROGRAMAÇÃO SETEMBRO

PROGRAMAÇÃO SETEMBRO
27.09 – Guilherme Ribeiro Acordeon Trio
Acompanhado por Pedro Prado (bateria) e Danilo Penteado (contrabaixo acústico), Guilherme Ribeiro mostra como o acordeom está presente no jazz, com obras de artistas consagrados, como Jacob do Bandolim e o italiano Bruno Martino, além de composições próprias. 
 
O acordeom tem importante espaço na cultura musical brasileira, em gêneros como choro, samba, baião e xote. Guilherme Ribeiro, no entanto, escolheu outros estilos para tocar o instrumento, como o jazz americano e europeu, o tango argentino, a musette francesa e a música pop. Conhecido como pianista, encantou-se pelo acordeom há dez anos e, desde então, dedica-se também à pesquisa e ao estudo deste instrumento. 
 
Repertório: Virginia (Guilherme Ribeiro); Doce de Coco (Jacob do Bandolim); Augusta (Richard Galiano); Rimas (Aldo Rabelo); O Quarto dos Fundos (Guiherme Ribeiro); Estate (Bruno Martino); Mar de Dentro (Guilherme Ribeiro); Inté as Canelas (Guilherme Ribeiro); Malvadeza (Guilherme Ribeiro) e Prenda (Guilherme Ribeiro).
20.09 – Orquestra Pinheiros
Com 17 integrantes e três cantores convidados, a Orquestra Pinheiros faz o show “A Era do Swing” para contar uma parte da história do jazz. Com roteiro, direção musical e regência de Murilo Alvarenga, o espetáculo é uma homenagem aos tempos do surgimento das grandes orquestras, as famosas “Big Bands”. 
 
A orquestra é formada por Maria do Carmo Leme, Carlos Maciel, Carlos Grassetti, Fernando Tavares, Davi Korn e Mafalda Móbile (sax); Fernanda Lelot (flauta); Douglas de Freitas, Celso Facas, Valfredo Fonseca e Silas Falcão (trombones); Miriam Souto, Corina Cunha e Sonia Valentina (teclados); Vânia Kfouri (piano); Sérgio Celestino (contrabaixo); Milton Bigi (bateria). 
 
A “Era do Swing” foi o tempo da criação musical solta, voltada apenas para a diversão, no período entre duas guerras mundiais, depressão econômica e a vitória militar. Foi uma época de valorização das mulheres e de enorme influência da cultura negra, que mudou o entendimento e o desenvolvimento do século XX. 
 
Repertório: Puttin’ On the Ritz (Irving Berlin); It don’t mean a thing (Duke Ellington, arranjo Dave Wolpe); Ain’t Misbehavin (Fats Waller, arranjo Dave Wolpe); Stormy Weather (Harold Arlen & Ted Koegler – arr.: Ed Gaston); Take the ‘A’ train (Billy Strayhorn, arranjo Sammy Nestico); Chattanooga Choo-choo (Harry Warren, arranjo Jack Mason); Tribute to Jerry Gray (Jon Harpin); String of Pearls (Jerry Gray); Blue Moon (R. Rodgers & L. Hart, arranjo Richard Malby); Here’s that rainy day (J. Burke & J. Van Heusen, arranjo John Edmonson); Blue Skies (Irving Berlin, arranjo Roger Holmes); Night and Day (Cole Porter); I’ve got you under my skin (Cole Porter); Do it again (George Gershwin & B. G. DeSylva, arranjo Murilo Alvarenga); Fly me to the moon (Bart Howard, arranjo Sammy Nestico); Cheek to Cheek (Irving Berlin); Satin Doll (Duke Ellington, Billy Strayhorn & Johnny Mercer, arranjo Sammy Nestico); Count Basie Medley (Count Basie, arranjo John Berry). 
13.09 – Thiago Abdalla
Com músicas espanholas dos últimos cinco séculos, o virtuose Thiago Abdalla faz um concerto de violão erudito, trazendo obras de diversos compositores consagrados, desde o Renascimento, com peças polifônicas, até o século XX. 
 
Thiago Abdalla é mestrando no Departamento de Música da ECA – USP, onde se formou em violão erudito. É membro dos grupos Pulso 70 e Luna Dueto, e organizador do Ciclo de Concertos do Espaço Cultural Pyndorama, em São Paulo. Leciona violão erudito na Escola de Música do Estado de São Paulo (antiga ULM). Especializou-se em processo de educação musical Orff-Schulwerk, é membro da diretoria da Associação Orff Brasil e coordenador da área de violão erudito do Núcleo de Música Aplicada (Numa). 
 
Repertório: L. Narvaez (c.1500-1560), Diferencias sobre Guardame las Vacas e Canción Del Emperador; F. Sor (1778-1839), Sonata Op.22 – Allegro; F. Tárrega (1852-1909), Recuerdos de La Alhambra e Capricho Árabe; F. Mompou (1893-1987), Suíte Compostelana, Prelúdio, Cuña; J. Turina (1882-1949), Sevillana Op.29 (fantasia); F. Moreno-Torroba (1891-1982), Castelos da Espanha: Alcazar de Segóvia (llamada), Alba de Tormes (trova), Turégano, Siguenza, Torija (elegia); A. Ruiz-Pipo (1934-1997), Danza.
06.09 – Guaçatom
Formado por crianças e adolescentes, o grupo interpreta composições com sensibilidade e energia. Sob direção musical de Isa Uehara e apoio de Manoel Trindade, os 21 músicos, todos de Caucaia do Alto, Cotia, tocam flautas transversais, flautas doces, clarinetes, baixo elétrico, cavaquinho, vibrafone, violino, escaleta, piano digital, percussão geral e objetos sonoros, mesclando vozes e movimento. 
 
O Guaçatom, nome inspirado numa planta da Mata Atlântica utilizada para fins fitoterápicos, é um dos projetos da Associação Filantrópica Criança Feliz, criada em 1985 para apoiar a comunidade de baixa renda no município de Cotia. Com práticas educativas focadas na música, um dos objetivos da instituição é receber durante a semana mais de 100 jovens, proporcionando acesso à cultura e ao lazer, numa busca de resgate da auto-estima, além da valorização da música da cultura infantil no Brasil e no mundo. 
 
Repertório: Barrigada (Carlos Malta/Ana Malta); Circo Místico (Edu Lobo/Chico Buarque); Na Carreira (Edu Lobo/Chico Buarque); Frevo (Guerra Peixe, arranjo Paulo Oliveira); Que lindos olhos, Rosa Amarela e Candieiro (domínio popular, arranjos Villa-Lobos); Yaya e Três Cocos (domínio popular); Hotaru Koi (canção infantil japonesa – domínio popular); Bashofu (canção japonesa, arranjo Paulo Oliveira); Pout-pourri arretado (domínio popular, arranjo Paulo Oliveira); Primavera, allegro (A.Vivaldi); Toadas de Maracatus (Capiba); Nesta rua (arranjo Villa-Lobos, do Guia Prático, 1930); Vassourinhas (Matias Rocha). 
Entrar em contato

Mar. al sol de 10 a.m. a 6 p.m.

Ir al contenido