PROGRAMAÇÃO

Bichos do Brasil

Bichos do Brasil

Alguns dos animais mais representativos da fauna da Amazônia, como a harpia, o anacã, a onça pintada, a irara e a preguiça real, estiveram entre 25 imagens coloridas em grande formato (2m x 1m) que compõem esta exposição. De autoria de Araquém Alcântara, as fotos foram exibidas em meio a árvores do amplo jardim do MCB, com a intenção de usá-lo como área museológica, incrementando as atividades ali realizadas.

Na noite de abertura da mostra, dia 24 de novembro, das 19 às 22h, o fotógrafo e jornalista lançou o livro “Amazônia”, da Editora Terra Brasil, no qual 132 fotos da população, paisagem e fauna da região denunciam a beleza e a agonia da maior floresta tropical do planeta.

O livro “Amazônia” traz, além de imagens de autoria de Araquém, textos escritos por alguns dos maiores especialistas na região, tais como o geógrafo Aziz Ab’Saber, a antropóloga Betty Mindlin, João Meirelles Filho, diretor do Instituto Peabiru, o historiador acriano Márcio Souza, o poeta Thiago de Mello e o sertanista Sydney Possuelo. O balanço histórico, geográfico e antropológico da Amazônia se completa ainda pelos escritos sinceros do médico Drauzio Varella e de Roberto Smeraldi, diretor da ONG “Amigos Da Terra”.

O livro foi dividido em três partes: a Terra, o Homem e a Destruição.

A Terra – a visão do Éden, as imagens aéreas do arquipélago de Anavilhanas, no rio Negro, o maior complexo de ilhas fluviais do mundo; paisagens e fauna de reservas ecológicas e parques nacionais do Pico da Neblina; do Monte Roraima e das florestas da Serra do Divisor, no Acre.

O Homem- a câmera do fotógrafo captando cenas do cotidiano, do trabalho, da cultura e religiosidade dos caboclos e índios da região.

A Destruição – em um final contundente, o ciclo da destruição, com o desmatamento, as queimadas, o transporte ilegal de madeira, animais calcinados e deserto.

Araquém Alcântara ficou célebre por retratar a natureza brasileira. Os animais, plantas, cenários e reservas ambientais que já passaram pelas lentes do fotógrafo ficaram conhecidos mundo afora. No entanto, como sempre fotografou a realidade brasileira, Araquém se deparou em suas andanças pelo Brasil com a miséria e a devastação do povo e do solo nacional.

Indignado com o descaso do governo e com a apatia e o desconhecimento da população em relação à real situação do bioma amazônico, o fotógrafo e jornalista mostra não só beleza, mas também destruição, em um grito de alerta contra o caos que se instalou na região e que está levando ao fim a maior riqueza do país.

“Minhas últimas viagens à Amazônia me deixaram muito triste. Diante de meus olhos, a infinita desolação da terra assassinada. Este imenso laboratório cientifico que é a Amazônia está sendo dizimado por uma política ambiental pífia e inconseqüente que se arrasta desde a ditadura militar. Aliada à corrupção, ao despreparo dos governantes e à passividade da opinião pública, essa política, ou “apolítica ambiental” já fez com que a região perdesse 18% de sua cobertura original. Hoje, 4% dessa área não serve mais para nada, virou deserto”, afirma o fotógrafo, cuja primeira viagem à Amazônia deu-se em 1979.

Desde então, o fotógrafo e jornalista já percorreu mais de 100 mil km da Amazônia Legal de barco, de avião, de carro e principalmente a pé. Esteve muitas vezes em áreas desconhecidas da região para denunciar o processo de degradação moral e social dos “amazônidas”, além da destruição do bioma local.

É de Araquém o mérito de documentar para entidades nacionais e internacionais, como o Ibama e a Unesco, locais nunca antes fotografados, como o Parque Nacional da Serra do Divisor, no Acre, e o Parque Nacional do Cabo Orange, no Amapá. Ele também já registrou imagens de todos os outros cinco parques nacionais da região.

Entrar em contato

Tue. to sun. from 10am to 6pm

Skip to content