Confira o texto da comissão julgadora sobre o resultado do Concurso do Cartaz

Diferentemente do que muitas vezes se acredita, não cabe a um corpo de jurados impor de maneira arbitrária seus valores e preferências na avaliação de um conjunto de trabalhos. Pelo contrário, o movimento deve ocorrer em sentido inverso: é a partir do teor exalado pela amostragem a ser analisada, das vertentes para onde ela aponta, que o processo começa. Ao júri, cabe acolher e respeitar essa orientação inicial — não importando o quanto ela esteja ou não alinhada a expectativas e conceitos prévios — para, então, executar seu trabalho.

Nesse sentido, a mensagem emitida pelo grupo de cartazes participantes do 33º Concurso do Cartaz do Prêmio Design MCB não poderia ter sido mais clara: reverberando a voz corrente que brota das mais diversas fontes — de instituições culturais a grupos de whatsapp —, foi extremamente significativa a quantidade de peças nas quais predominavam as referências a questões sociais e ao cenário político. Temas que, salvo pontualíssimas exceções, não costumavam comparecer ao concurso em edições anteriores.

Como tem ocorrido na maior parte dos casos — de instituições culturais a grupos de whatsapp —, o tópico foi muitas vezes acessado de forma pouco elaborada. Para que propor reflexões se é mais fácil impor “verdades”? Algumas execuções, de tão empolgadas com a bandeira em suas mãos, chegavam até a se esquecer de que o objeto sobre o qual se debruçavam deveria funcionar como cartaz para o 33º Prêmio Design MCB. Contudo, se parte das mensagens individuais haviam sido veiculadas no canal errado, isso não invalidava a mensagem coletiva. Negá-la, premiando peças que, apesar de executadas com excelência gráfica (foram várias) e hábil articulação de raciocínio (já nem tantas), se furtassem ao comentário desses conteúdos mais abrangentes, seria negar a função primordial do concurso em si. Afinal, se ausente do regulamento original, a escolha pela inclusão desse critério como item da seleção final veio após a escuta do próprio conjunto de cartazes. Trata-se, portanto, de ingrediente vital na composição do panorama a ser exposto — e premiado.

Assim, os três selecionados possuem muito mais em comum do que os vencedores e finalistas destacados em edições anteriores do concurso. Pois, além de atenderem aos requisitos habituais de seleção, também se propõe a discutir o cenário sócio-político do Brasil de hoje e, para tanto, lançam mão de premissas conceituais semelhantes, terminando por se estruturar sobre princípios formais muito similares: a imagem em detrimento do texto, a metáfora visual como elemento central.

Dois deles foram escolhidos, empatados, como o 2º lugar: o cartaz de Luan Piani projeta a sombra de um caixilho — ou seria uma grade? — sobre um piso de modulação igualmente ortogonal que, reforçada pela imagem monocromática, gera uma carregada sobreposição de grelhas. Já o cartaz criado por Guilherme Dorneles e Carolina Gehlen surge, num primeiro olhar, como um colorido irradiar de linhas para, logo, revelar-se um ralo para onde escorrem as mais diversas matizes, os mais diversos projetos. É nesse vai e vem comum a ambos, nessa certa indefinição — espacial em um, direcional em outro — que reside boa parte de sua força, evitando leituras exageradamente literais, mesmo que os dois partam de metáforas visuais bastante claras de, respectivamente, opressão e desencanto.

O que fez com que o cartaz apontado como vencedor não fosse um deles, mas o de Stephanie Mathias de Souza, foi que este acrescenta às virtudes da dupla anterior uma sutil possibilidade de reconstrução. Novamente, temos a elaboração de comentários mais abrangentes articulada por meio de uma metáfora visual em torno de um artefato componente do léxico do Prêmio MCB. A diferença é que, aqui, o prato rachado pode ser lido num feixe interpretativo um pouco mais amplo do que a grade ou o ralo. Não apenas pela maior polissemia do objeto em si quando comparado aos outros dois, mas também porque a fratura pode ter ocorrido não apenas no âmbito global (nacional, se preferir), mas também no próprio território sintático do cartaz, em seu branco imaculado. Também ele — e o que ele representa — pode ter se quebrado. E, se já não é possível remendá-lo — nem por meio da nostalgia por um projeto de modernidade perdida, nem com a preguiçosa adoção do improviso como virtude — tal constatação não deixa de funcionar como um premente ponto de partida.

Comissão julgadora Concurso do Cartaz 2019
Gustavo Piqueira (Coordenador)
Tereza Bettinardi
Gil Tokio
Celso Hartkopf
Vanessa Queiroz

RECEBA NOSSA PROGRAMAÇÃO

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório
Entrar em contato

ter. a dom. das 10h às 18h