« VOLTAR

LANÇAMENTO DE LIVRO | O PAU BRASIL A COR E O SOM

História, meio-ambiente e música são os temas que compõem o livro “Pau-Brasil – a cor e o som”, da editora Terceiro Nome, com textos de Ricardo Maranhão. Seu lançamento será realizado pelo Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, em evento gratuito realizado no dia 6 de novembro, domingo, às 14h, com show acústico de música brasileira jazzística do Quarteto Bonanza.

Com versão em português e inglês, o livro aborda os séculos de história, o momento atual e as utilidades da árvore símbolo do Brasil. O pau-brasil correu risco de extinção devido à sua extração em larga escala desde os primeiros séculos da colonização do país, por fornecer tinta vermelha para tingir as vestimentas de nobres europeus. Agora, a espécie vive processo de recuperação, e a música é um dos principais agentes dessa transformação. Sua madeira dura, pesada e flexível na medida certa é considerada a melhor do mundo para a produção de arcos de instrumentos de cordas, como violinos, violas, violoncelos e contrabaixos. A grande maioria dos arcos do mundo inteiro é feita de pau-brasil.

Durante a pesquisa para o livro, além do trabalho historiográfico, o autor percorreu diversos estados brasileiros onde ouviu cidadãos que trabalham a favor da preservação do pau-brasil, além de histórias de pessoas que se dedicam a produzir os arcos de violino e a preparar a madeira para exportação.
Durante o evento de lançamento, o livro será vendido por R$ 59,00 (cinquenta e nove reais).

Sobre o autor
Ricardo Maranhão é doutor em História e professor de gastronomia. Autor de 22 livros e pesquisador da cultura e da história do Brasil, venceu o Prêmio Jabuti 2015 de Gastronomia com o livro “Gente do mar – vida e gastronomia dos pescadores brasileiros”, publicado pela editora Terceiro Nome, por onde também lançou os livros “Caminhos da conquista – a formação do espaço brasileiro” e “Diário de navegação – Pero Lopes e a expedição de Martim Afonso de Sousa (1530-1532)”, indicado ao Prêmio Jabuti 2012 de Ilustração.