« VOLTAR

APRESENTAÇÃO DOS FILMES TOYS E BEATS OF FREEDOM | DIÁLOGO DESIGN: POLÔNIA BRASIL

No dia 01 de outubro, domingo, às 15h, no terraço do MCB, acontecerá a apresentação dos filmes Toys e Beats of Freedom. A atividade faz parte da programação especial da exposição Diálogo Design: Polônia Brasil. 

 Beats of Freedom (2010) – 73 min
Direção:
Wojciech Stota e Leszek Gnoinski
“Beats of Freedom” é um filme emocionante sobre o rock polonês na época da República Popular da Polônia. As lendas do rock clandestino compartilham as suas lembranças sobre a música, a vida e a paranóia da censura. No tempo em que a vida na Polônia era controlada pelo regime, a música se tornou um fenômeno, um acontecimento social de grande alcance e um espaço de liberdade. “A cortina de ferro” não conseguia frear o rock, e as pessoas jovens, graças à música, viam neste estilo musical uma forma de se sentirem fortes e garantir a sua dignidade.

Toys (2011) – 51 min
Direção: Andrzej Wolski
“Toys” é um documentário sobre como, e com quais brinquedos brincavam as crianças na época do socialismo realista. Os brinquedos da crianças polonesas eram diferentes dos brinquedos do Oeste – eram mais simples e feitos de materiais de qualidade inferior. Às vezes, eram presentes do exterior, ou cópias de brinquedos ocidentais feitas por artesões. Frequentemente eram objetos feitos à mão pelas crianças ou pelos familiares. Como um pente, algumas moedas, um elástico de lingerie, e algumas tampas.

 

Sobre Diálogo Design: Polônia Brasil

A mostra, que tem curadoria das polonesas Magda Kochanowska e Ewa Solarz e do brasileiro Gabriel Patrocínio, segue o conceito de estabelecer paralelos entre os designers da Polônia e do Brasil. O curador explica que foi a partir da constatação de semelhanças entre a atividade de projetar dos dois países que surgiu a ideia da exposição, e enfatiza o quanto suas culturas se aproximam quando o assunto é design. “Obviamente, existem diferenças históricas e outras influências, que também refletem na produção contemporânea dessas nações, que nos levaram a acreditar que essa justaposição poderia oferecer um rico panorama de atuação e propor, ao mesmo tempo, caminhos para uma eventual colaboração entre os dois países”, comenta Gabriel.

“A mostra ‘Diálogo Design: Polônia Brasil’ demonstra o objetivo do MCB em dar continuidade às parcerias internacionais, que asseguram a maior heterogeneidade de nossa programação expositiva”, afirma Giancarlo Latorraca, diretor técnico do museu.

 “É como se a casa brasileira se abrisse à casa polonesa, numa atitude cosmopolita típica de uma metrópole como São Paulo, trazendo para dentro os objetos de uma nação que contribui para a nossa formação multicultural”, complementa Gabriel Patrocínio, curador da exposição.

A exposição ‘Diálogo Design: Polônia Brasil’ reúne tradição e inovação em 20 cartazes e 25 peças icônicas de mobiliário, vidro e porcelana. Além disso, cinco designers gráficos poloneses e cinco brasileiros foram convidados para retratar dois cartazes, um representando a sua nação de origem e o outro com a sua visão do segundo país da mostra – cartazes que serão distribuídos, gratuitamente, no dia da abertura da exposição.

 

Jorge Zalszupin – novidade da ‘Diálogo Design: Polônia Brasil’ no MCB

Após uma temporada em Brasília e outra no Rio de Janeiro, a exposição ‘Diálogo Design: Polônia Brasil’ inaugura em São Paulo, no Museu da Casa Brasileira, em versão ampliada: incorpora um recorte com peças de Jorge Zalszupin, arquiteto polonês naturalizado brasileiro e conhecido pela importância da sua contribuição na construção da identidade do design moderno brasileiro. Essa seleção, em homenagem ao designer, será apresentada pela primeira vez na capital paulista.

Por meio dessa pequena mostra, intitulada “JZ: O diálogo personificado", os visitantes poderão conhecer com riqueza de detalhes do trabalho do designer, disposto em duas salas. “Zalszupin personifica o diálogo que buscamos para representar a exposição como um todo. Reunimos um pequeno, mas significativo – quase icônico – conjunto de nove peças projetadas por ele. Isso mereceu um segmento especial”, explica o curador, Gabriel Patrocínio.